31 março, 2008

... tão humano ...

XIV

Os primeiros dias da amizade
levam sempre à gloriosa loucura do verão;
não sei de tempo mais feliz,
a não ser

vaguear ao crepúsculo pelas dunas
em certos dias de setembro;
mas a morte rasteja pelas pedras,
o coração

impaciente por descer à água.
Que pode um homem esperar quando
tão puerilmente
se expõe assim ao sol em carne viva?

Eugénio de Andrade, Branco no Branco, 24







P. Klee, Freundliches Spiel

2 comentários:

Pulsante disse...

ambivalência reprimida...

mariadosol disse...

pulsante:
é capaz, é capaz ...