08 setembro, 2010

papel vazio




Folmer, Georges
sur le vide papier que la blancheur défend (1960-1962)

10 comentários:

Rogério Pereira disse...

Riscos
Apetece-me riscar
Fazer riscos a esmo
Riscar o branco papel
Como a vida faz a mim mesmo
E isso que era
papel vazio,
sem nada,
é agora a minha alma,
riscada...

(eu não deveria ter escrito isto...)

livia soares disse...

Está bonito o seu blog.
Um abraço.

monica disse...

a imagem q se vê na janela do meu blog é uma nadega semi tapada :DDDD

Justine disse...

...como me sinto por dentro, às vezes!

Zélia Guardiano disse...

Querida mdsol
Papel vazio, muita vez, fala tanto!
Lindo post, como alíás, são todos os seus...
Beijo, amiga!

jrd disse...

Prefiro o papel 'branco'.
:)

ariel disse...

A vantagem do papel vazio é que nos dá espaço para tudo....

:)))

Mar Arável disse...

Imenso vazio

Daniel Santos disse...

bom momento.

heretico disse...

prefiro o desafio da folha em branco... rss

beijos