05 julho, 2008

s/ título






Van Gogh,
two hands,
1885


EPÍGRAFE PARA A NOSSA SOLIDÃO

Cruzámos nossos olhos em alguma esquina
demos civicamente os bons dias:
chamar-nos-ão vais ver contemporâneos

Ruy Belo,
Todos os Poemas
(Aquele Grande Rio Eufrates)
, 57


Cris Garneau, relief

9 comentários:

Juani lopes disse...

Hoy en tus dos post, dos de mis dos pintores favoritos Dali y van gogh, Que pases un feliz fin de semana
saluditos

um Ar de disse...

Que frase fantástica!...
Como é possível tirar uma conclusão tão imensa de um facto tão banal?...
Adorei.

[Beijo....]

WOLKENGEDANKEN disse...

ah essas duas maos !! Isso é o tipo de pessoa mais complicado; uma mao aberta, invita a aproximar-se e quando chegares mais perto ..... bummmm recebes a outra mao na figura .....

O Puma disse...

Um dia só comemos poemas

e asas de andorinha

Justine disse...

Fortíssima a imagem, violento o poema. Bom para acordar consciências, que bem preciso é!
Beijo

Tinta Azul disse...

e a menina de Sábado de Manhã? Ficou, contemporânea, nalguma esquina?
Eu vinha cá vê-la...

mdsol disse...

Oh Tinta:
Tu deixa-me de olhar só para o ar... ora olha dois posts mais abaixo?
:)

Duarte disse...

É um fragmento? Não conheço este quadro.
Quanto ao resto, como sempre, categoria superior.
Ao que nos habituaste...

mdsol disse...

resposta colectiva:
supostamente são mãos de dar (e de receber, naturalmente) parte do "relief" necessário no quotidiano que partilhamos por aqui, por alí, por onde andamos!
:)