23 julho, 2008

dunas & divãs & colinho Lda.






Dauge, B.
dune










DUNAS

Conhece-os bem os narcisos
e os cardos roladores com as

suas inflorescências azuis quem
anda pelas dunas ao fim da tarde

Enterram fundo as raízes na
areia e florescem florescem

enquanto à volta tudo arde

Jorge Sousa Braga, (porto de abrigo) in o poeta nu, 276


GNR, dunas
(não há modos de eu gostar dos requebros vocais do Reininho, mas...vá lá ...quem sou eu...não é? e a ideia de estar nas dunas bem acompanhada a roer maçãs em câmara lenta como na TV nem é desagradável....rsrsrs)

9 comentários:

mdsol disse...

Dois Rios disse...

E rolar no macio da areia.
Fincar raízes no silêncio.
Florescer em céus azuis.
E deixar tudo arder.

Beijos meus,

Quarta-feira, Julho 23, 2008

mdsol disse...

Blogger poetaeusou . . . disse...

*
esta canção
não é do rui rio ?
ou é do veloso ?
,
gosto mais,
de me espraiar ... na praia,
,
conchinhas nocturnas,
,
*

um Ar de disse...

Quanto ao R.Reininho, partilho da tua opinião. Acho que nem irei habituar-me, nunca! Embora, conheça o "rapaz" há muitos anos e não me é nada antipático...
.
Hoje, voltei à escola com o J., porque me esqueci de um material meu, importante... no meio da confusão dos últimos dias... [ainda bem, porque também se tinham esquecido de uma informação importante que tinha deixado...].
.
Tinha planos para passearmos na praia, apesar de estar cinzento. Antes fomos a pé, até à Rua da Junqueira, para o J. conhecer o comércio local...
.
... e tive mais uma enxaqueca, para me lembrar que sou daquelas pobres mortais que não podem fazer planos, por muito modestos que sejam. Foi daquelas bem fortes. Fiz o caminho para o carro quase cega... e já não houve passeio nas areias da praia... [dunas, seria pedir demais, enfim!]
.
Despertei há umas poucas horas...
.
E estraguei o meu dia e o de outros!
.
[Beijo.... atordoado]

mdsol disse...

dois rios

beijos recebidos
:))

poeta

REININHO poeta... (aqui no Porto há uma catrefada de RUI 's rsrsrsr)

:))

um ar de

Oh...mais enxaquecas... Como lamento. Até porque, além do mais, perdeste um passeio que te ia fazer bem. Sabes? Andava bem há umas semanas mas, na semana passada, também tive uma (não muito forte, mas tive). Nem sabes como me identifico com o que escreveste: "...para me lembrar que sou daquelas pobres mortais que não podem fazer planos, por muito modestos que sejam". Muitas pessoas nem imaginam como "isto", que se sente, é limitador de tantas, mas tantas coisas. No meu caso até de opções de vida mais "sérias", digamos assim!
As tuas melhoras
Beijos de nem te passa como te entendo!
:)

Tinta Azul disse...

D' unas a dois...Um verdadeiro Reininho com castelos de areia.
:)))

Duarte disse...

Aguarela ou Guache, que mais dá, lindos tons e harmónicos: gosto imenso deste quadro.

Nunca vi dunas como as de São Jacinto.

O poema agrada-me; da melodia... sem comentários...
ainda que acorde com o tema. Para não fugir ao sentido ético que tão bem adequais...

Um grande abraço

Carminda Pinho disse...

Subscrevo totalmente o teu "títalo"...gosto tanto de colinho...:)
O poema e a tela são notáveis, acrescentar mais o quê?
A voz do Reininho...não gosto, mesmo.
Reconheço que tem algumas (poucas) canções bonitas, mas cantadas por ele, não ficam nada de especial.
Isto é sómente uma opinião minha.

Bjokas

mundo azul disse...

Dunas são sempre lindas... Acho que gosto do movimento em que elas são constantes...

Bonito!!!

Beijos de luz e o meu carinho...

Anónimo disse...

Estive a ouvir com a imagem em "full screen"- fez muito bem em tirar a imagem.( Talvez pudesse ter tirado também a canção...). O resto : óptimo !
:))
José-Carlos