24 julho, 2008

P.S. (com rosas)


Johnson, T.
roses 32
s/ data




POST SCRIPTUM

Estou mesmo a precisar
de uma injecção
de essência de rosas

J. de Sousa Braga, post scriptum, (boca do inferno), in o poeta nu, 89

Gilbert Bécaud, l'important c'est la rose

5 comentários:

Duarte disse...

Que grande Gilbert Bécaud, e esta canção, uma das que se distingue na minha selecção pessoal de obras excelentes e preferentes.
Esta mudança de clima deixa-nos perdidos, mas neste caso as injecções são pura falácia, alivio dum momento.

Beijinhos

um Ar de disse...

Também concordo com o Duarte...
Isto, minha amiga, são sequelas de quem não dá atenção ao corpo...
.
... a ideia da essência de rosas é bonita...
.
... mas, se tu acreditasses, as rosas não estvam de "luto"...
.
Dizia-se que o Napoleão se gabava de só ter medo das correntes de ar... [Claro, que não morreu disso...]
.
Devem ter-me contado esta história em criança, porque nunca me esqueci. No Verão, com o calor, nem damos conta delas. São uma espécie de sweet relief, muito maléfico...
.
[Beijo de essênca de rosas vivinhas]
.

WOLKENGEDANKEN disse...

Hm, a injeccao é para a alma ou é uma nova terapia alternativa para a columna ? Tenho um amigo que juraria que a acupunctura ajuda mais que as rosas, mas ele é muito prosaico e ainda por cima "acupuncturista" .

mariam disse...

limito-me a sorrir :)

heretico disse...

rosas vermelhas de preferência...