07 dezembro, 2008

balhamedeus...






Nolan, Isabel
Jesus, you look so tired
(2007)






ESTA SITUAÇÃO

E a senhora dos filhos e dos gritos e da malha
não falha nenhum dia chega sempre à mesma hora
Poderás ser feliz: basta mudar de esplanada
mas acredita não resolve nada
a mesma água vem na mesma calha
e é tudo como antes para aquele que chora:
a mudança é fatal até para a face mudada
Já nela havia rugas e era fresca e corada
A cara da senhora? Não. Mas espera, talvez
o que eu disse estivesse já dito de vez
E eu só amanhã me vou ontem embora

Ruy Belo, tempo duvidoso (todos os poemas) Assírio e Alvim, 155)


Tom Waits, God's away on business

20 comentários:

cristal disse...

Esta semana o Ruy Belo persegue-me... Mas eu até gosto da perseguição!

Francisco Clamote disse...

Antes: BalhameZeus!
A poesia, a música, as pinturas e os comentários da autora, tudo super ! Cordiais saudações.

Violeta disse...

Gostei do tempo dvidoso. È assim,o tempo que se vive...

Anónimo disse...

"Olhai as aves do céu: não semeiam nem colhem, nem ajuntam em celeiros. E, no entantanto, vosso Pai celeste as alimenta. Ora, não valeis vós muito mais do que as aves?" Mt.6.26

pareceu-me que ficava bem como contrapeso. contrapeso por contrapeso, outra do Tom Waits,
(in Day after tomorrow)

"(...)You can't deny
The other side
Don't want to die
Any more than we do
What I'm trying to say,
Is don't they pray
To the same God that we do?
Tell me, how does God choose?
Whose prayers does he refuse?
(...)
I'm not fighting
For justice
I am not fighting
For freedom
I am fighting
For my life
And another day
In the world here
I just do what I've been told
You're just the gravel on the road
(...)

tirado um bocado do contexto mas, bem vale questão; por qual luta...nós?

***

in_side (ate nu ar disse...

gosto muito de dias feitos de sombra ( falo mais do dia que dos tempos,

dias, pois, onde nos enrolamos a esperar o fim do mundo,

dias feitos de noite,

(( de tom waits gosto de tudo

( prefiro o small changes

e nele, sem dúvida,

invitation to the blues

que me toca e me amassa um vinho azedo, uns ovos mexidos num balcão indistinto, o pão frio da tristeza

na pele

que não quero agora
lembrar e muito menos fermentar,

(embora a tentação seja grande neste longo início da noite,,,

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!
Respondendo à sua pergunta:

Por enquanto não está prevista apresentação no Porto.
Eu bem gostaria.

Fica para a próxima...


Bjs

~pi disse...

deixo-te duas coisas bonitas pra mim:

http://br.youtube.com/watch?v=bxlwDUzmqPM

( sheila shandra em
ever so lonely

http://br.youtube.com/watch?v=XKGacxfUhfM

( pina bausch, pra mim tão especial, aqui, onde os evidentes cansaços são muito mais que cansaços,

mas sim, pra isso é preciso amar, amar o que se faz - a vida, não não é isso, é mais o que se faz DA vida, amar.




~

intimidades disse...

Infelizmente ja nao podemos ter seguranca e certeza de nada...


e eu que pensava que estaria a esta hora a fazer outra coisa.. mas os planos mudam :(

Jokas

Paula

Duarte disse...

Gostei muito.

:)))

Abraços

~pi disse...

`café muller pina bausch rare`

(pesquisa por aqui...

os links parecem me não funcionar ou é de mim, experimentei agora,

sheila chandra, idem,,,



beijo, bOa noite

Anónimo disse...

"talvez
o que eu disse estivesse já dito de vez"

Romper...com o que estiver-já-dito-de-vez:)))
(à quem...ele sabe)

***

in_side disse...

a poesia não são palavras,

as palavras são engraçadas, são brincadeiras, são jogos, placebos, são catarses, são referências, coreografias, sinais,

CAMINHOS___________________________

(são demasiadas vezes, produtos desta cultura de parecer, mal entendidos que se criam e alimentam a beber angústia, adiação e solidão)

o que sei que quero tanto é chegar à poesia do SER - SER corpo e alma, SER-A-própria-poesia-em-mim-
-A-que-não-se-escreve

creio que no amor e no fazer amor, se possam atingir, aprendendo devagar, estados duma tal elevação e plenitude :) que

nunca podem ser escritos, nem tal coisa seja nunca desejada (e muito menos necessária.

a poesia pura, no que respeita ao amor e à vida, ao amor-vida-essência-de-ser, é que não há palavras, há ruptura, empreendimento, há coragem, há viagem,

há aprender a partir da possível inocência, aproximar pés e línguas,
(os significantes do dentro e do fora,

nem há que falar (como estou a fazer, que as palavras só dis traem,

(há que duvidar das asas vitalícias, não esquecer,

e há SIM, há-SIM
que desejar e querer muito,

- querer chegar,

António Torres disse...

cara Mdsol,
neste tempo duvidoso, também na meteorologia, e enquanto "God's away on business" - why not stop your daily business and allow yourself a delicious cup of tea?
Os biscoitos prometidos há umas semanas, são bem-vindos...

JPD disse...

Belíssimo Rui Belo, mdsol
Bjs

Bento disse...

Tive um acidente na net...e esbarrei neste blog...um primor conceptual! acho que vou ficar aqui internado...a convalescença é uma benção...quando em boa companhia...

Tinta Azul disse...

"continua a faltar-me a folha cinco - pois apesar de tudo nada consta"
Ruy Belo

... para que conste
:))

bettips disse...

"Eu só embora amanhã me vou ontem"...segundo o que sinto, relutante presente, e parafraseando Ruy Belo
Sim...que
"Um pouco mais de azul e eu era",
teria sido,
céu aberto"
Bjinho

Graça Pimentel disse...

Gostei tanto do jogo das palavras, mdsol! Sublime!

beijinho grande

Justine disse...

Se até Jesus está com ar cansada, imagine-se nós, os pobres só-humanos...

Véu de Maya disse...

poema bem profundo e música a preceito....

Véu de maya.