05 dezembro, 2009

é cada tirada!

.




Zviedris, V.
when all is forgotten
(2008)






Em relação às pessoas o tempo tem isto: ao corpo faz misérias, ao resto ... maravilhas.

15 comentários:

antónio m p disse...

Pois é... Pode inscrever-me como testemunha!

Luis Filipe Gomes disse...

O que vale é que há oásis como este blog em que o corpo se demora sem que por ele passe o tempo.

lino disse...

Cá em baixo está um bonito sol e já estive a beber uma bica à beira-mar :))

Véu de Maya disse...

quando tudo se esquece...volta tudo de novo...eis o perigo e a maravilha...

Tia_Cunhada disse...

Se o tempo ficasse velho, talvez paresse com isso...

Um beijinho

Clarice disse...

Grande verdade!

Arabica disse...

Solinho, é tipo troca por troca :))

Beijinhos

susana disse...

Ao corpo lambem-se as feridas.

mena m. disse...

Demos então tempo ao tempo...
Um abraço Solinha!

heretico disse...

até o "resto" o tempo amolece! enfim, por vezes...

beijo

jrd disse...

O tempo é implacável para quem não o entende.
Inspirado eu!?
bfs

intimidades disse...

raios tou atrasada tenho de me despachar

Jokas
Puala

jose albergaria disse...

Porque é que o tempo, esse grande escultor, no dizer de Yourcenar, tem de levar com este ror de acrimónias?
O tempo não joga nesta mesa.
É o homem, ser artificial (diz-se, nas antropologias, cultural)que inventa estas depressões, paranóias.
Ele existem comunidades, civilizaçoes, que têm um outro olhar sobre o TEMPO, o CORPO, o VIÇO, a BELEZA e...etc.
Eu prezo, muito, a minha velhice.
Começo a ter um "olhar" apaziguado (sempre preocupado, atento, curioso, estudioso...)sobre as gentes, o mundo, a politica, os sentimentops, os prazeres, os gozos.
:))))

mdsol disse...

Meus caros comentadores, gente generosa ...

Um dos interesses da blogosfera anónima, como a que eu pratico, é esta tentativa de comunicar sem ajuda de expressões corporais, de gestos, de modos de estar que contextualizam as palavras.
Pois bem; quando esta frase me saíu... pensava eu como o tempo, e, sobretudo, a morte, passam como que uma lixa nas arestas das pessoas, adoçando mesmo as mais bicudas.
Há gente normal que, ficando velha ou morrendo, passa a ser extraordinária...

Helás. Desiludidos? Mas tinha de dar esta leitura. É que eu também convivo muito bem com o que u tempo me tem feito... Aliás, para ser justa, o tempo comigo tem sido bem generoso.

:)))

jrd disse...

Se há "inspiração", não pode haver desilusão, pelo menos aqui.
boa semana