13 março, 2009

acerca de joelhos *

.




Bolster, R.
the clammer








OS JOELHOS

Considerai os joelhos com doçura
vereis a noite arder mas não queimar
a boca onde beijo a beijo foi acesa.

Eugénio de Andrade, obscuro domínio, 32

* Desculpem se "estrago" o poema.

7 comentários:

anamar disse...

Lindo, lindo!
Vamos lá a apanhar o trem...e vir até ao Castelo!!! É só marcar a hora e a data...

poetaeusou . . . disse...

*
não estragas-te, não,
eugénio de andrade,
estava a pensar nessa foto,
,
conchinhas,
,
*

livia soares disse...

Querida,
eis-me de volta à Net; estive sumida por motivos alheios á minha vontade, mas voltei e muito me alegra esncontrar o seu blog em plena atividade. Grata pelas visitas simpáticas e pelo estímulo. Aqui está tudo muto interessante, como sempre. Eu aprendo bastante com as suas descobertas.
Um abraço.

Texto-Al disse...

sempre bom relembrar eugénio:)

T.

a. abreu disse...

:))))

Arabica disse...

Joelhos de noite acesa? :))

heretico disse...

com os joelhos a arder...