07 outubro, 2008

fogo e gelo generalizados?






Kaneda, S.
stable uncertainty
(2003)







"A ciência económica tem sido envolvida pelos teóricos em tantas teias, que os homens simples chegam a pensar que a sua nudez deve ter qualquer coisa de indecente. Em tais circunstâncias, suponho que a única coisa a fazer é começar de novo pelo princípio, com dados tão elementares que o leitor se indignará talvez de os encontrar aqui mencionados e ficará com a impressão de que insulto deliberadamente a sua inteligência..."
Bertrand Russel, a última oportunidade do homem, Guimarães ed., 141...

Islândia, fogo e gelo ....quem diria!


Philip Glass, Koyaanisqatsi

18 comentários:

WOLKENGEDANKEN disse...

Islandia, verdadeiramente sorprendente ! Teria dito que só com os seus ingressos do turismo vivem la cima como reyes.

E a minha admiracao, Solzinha, pela variedade dos temas que pesquisas :))

Véu de Maya disse...

Maria do Sol!

bela e profunda citação...e muito oportuna mesmo não sendo de filo..ia

tenha uma boa noite

Véu de Maya disse...

Maria do Sol!

bela e profunda citação...e muito oportuna mesmo não sendo de filo..ia

tenha uma boa noite

Violeta disse...

Citação provocatória. MAs às vezes é preciso!

Tinta Azul disse...

tão livre, tão livre o mercado
e afinal
tão preso tão preso...


is lan dia ou noite?

Anónimo disse...

Nem bem tinha compreendido as palavras de Bertrand Russel já eu pensava, num sentido julgo, paralelo, que perante uma ((a))crise mais vale respirar fundo e continuar no caminho, no sentido que escolhi trilhar. Consigo assim manter serenidade nas mais estranhas situações. Alguém poderá objectar que numa crise surgem dados novos ou novos desafios e temos de rever nossa posição. Ok. Mas o que não se altera é a nossa essência, aquilo que é o fundamento do nosso Ser. Assim, o sentido para actuar com coerência é o que permanece.
O problema de se agir assim, tão ponderadamente (parecemos não precisar de ninguém) é o sentimento de se estar só e as dúvidas que então nos assaltam...curioso é que só há pouco tempo tomei consciência de tal sentimento....costumava estar tão bem sozinha...((crises!! gr.κρίσης - momento em que caminhos se cruzam - risco e oportunidade - e tudo pode acontecer))!! Por isso é tão importante o Fundamento.

***

cristal disse...

Muito a propósito e... bem ilustrada! Bjs

poetaeusou . . . disse...

*
eu nao diria melhor,
hehe,
,
conchinhas
,
*

intimidades disse...

eu acho que nao tenho a tal inteligencia hahah

Jokas

Paula

Justine disse...

A ciência económica foi envolvida en teias propositadamente, e deu no que deu...
E começar de novo, pelo princípio, é o que tem que ser feito, mas evitando os erros cometidos anteriormente!

São ambos muito interessantes, o Russel e o Kaneda

observatory disse...

da islandia so me lembro de uma visita que me foi feita por um interessante poeta.

na r. julio dinis... no passatempo

o homem bebia um fino e meia de leite :) ao mesmo tempo:))))))

nao falemos nas miserias bancarias.

indecencia é haver tantos a ganhar tao pouco

bjo

Anónimo disse...

A gestão destas crises económicas parece consistir, cada dia mais,em procurar o caminho de olhos fechados, seguindo nas direcções em que as nódoas negras parcem ser mais suaves.
Entretanto, espera-se que o fogo que arde sem se ver nos devolva, dos gelos,
água pura de beber.
A sede também faz avançar o Mundo.
Katie

Anónimo disse...

Indecente é não ser um puco indecente!
Belo pst!
Beijos
http://sex-appeal.zip.net

Anónimo disse...

Isso da crise levou-me a pensar, mesmo, no relacionamento com o(s)Outro(s)...a crise é global, certo? Até a 'sensata'(penso)Islândia não lhe escapou. Nunca ouvi tantas vezes falar-se de economia e finanças associadas à ética e à moral, em tão pouco espaço de tempo! Na mesma frase, até. "Vivemos tempos interessantes"..(onde ouvi isso?)
Ora, quem fala de ética e moral fala de relacionamentos. Também aquele que temos com nós próprios que aliás, depende e espelha o relacionamento que temos com o(s) outro(s). Ora, ora, bem vinda crise! Já era tempo de tudo mudar! Como me relacionar (em todas as dimensões)e não fazer do outro instrumento do meu interesse? Com Ser, sem ser instrumentalizado pelo outro?
Se importa não andar sozinho (isso de ter sede e não mais andar de olhos fechados, de que fala Katie, vem deste estar com...) importa também os companheiros de jornada que escolhemos fazer. Isso pode fazer toda a diferença. Essa é a leitura simples, a 'realidade' deve ser bem mais complexa...mas temos de começar de algum lado. Mas, por falar em realidade, esta não exclui as coisas que nos fazem mover, fazem mover o Mundo afinal(diz Katie). As coisas do coração. Oh, não exclui não!
Obrigada Mdsol, aqui consegui respirar, quando o ar tornou-se demasiado rarefeito.

***

Anónimo disse...

Bom, bom, parece que a 'sensata' Islândia era só um paraíso financeiro, turístico ou assim. Não importa. O resto, é o que penso. Preciso viajar mais, a ver se aprendo coisas.

***

rosasiventos disse...

vou agora ali num instante que morro crente que o maior amor é uma vez dois e, por outro lado, bem maior que dois e sempre, afinal, sempre rio virgem, mas enquanto de abraço nem sombra vou ali e volto ou volto que nem que não volte logo se não verá.

Duarte disse...

¡¡¡Patético!!!
Es la realidad. Navegamos según como sopla el viento. Hacemos lo que suena ese día... por estas latitudes veo la gente asustada: repartiendo sus dineros por distintas entidades bancarias en busca de una mayor seguridad. Ya habló el Presidente y asegura que está todo bien atado, que hicimos bien los deberes.
Tenemos un ministro de economía que hace unos mese nos decía que no pasaba nada que en unos meses el mercado se recuperaba (estábamos en plenas elecciones), ¡vaya personaje que nos dirige la economía! ¡que no es capaz de prever!
Lamentablemente es una realidad... una dura realidad...

Islândia, deixei-me levar pelas obras de, Hall Caine, "O Juiz" e "O filho pródigo", nos meus anos moços, que me disseram muito do País do frio.

:)))

Beijos

Delfim peixoto disse...

Mais que no "olho do vulcão"