28 fevereiro, 2009

rosasemespinho*






Schmersal, P.
rosen
(2008)



* dividam por palavras como acharem melhor ...
rsrsrsrs :)))
__________________________________________________________

Vejam este vídeo aqui. Lição de vida, apesar de tudo...apesar de tudo!

sábado de manhã (45)



Modigliani, A.
sleeping nude with arms open (red nude)
(1917)

27 fevereiro, 2009

florzinha de... Robert Mapplethorpe & poema de EA






Mapplethorpe, R. - two vases and flower (1985)




Como (quase) toda a gente desatou a falar de Robert Mapplethorpe, lembrei-me da linda fotografia com que parabenizei aqui os 2 anos do blog aluaflutua.
Nem só de preto e branco e...nus e tal vive o artista...


SOBRE UM CORPO

Sobre o teu corpo caio
daquele modo que o verão tem de espalhar os
cabelos
na água esparsa dos dias
e faz das peónias uma chuva de oiro
ou a mais incestuosa das carícias.

Eugénio de Andrade, véspera da água, 15



Kathleen Battle, ave maria de Gounod

[E dedico o post à D. que faz hoje anos e eu gosto muito dela e ela sabe e tudo e tudo...]

25 fevereiro, 2009

tira teimas [acrescentado]




Modigliani, A.
nude on a divan
(1918)



só para ver se, entre as estimadas visitas, há algum polícia de Braga ou algum cidadão zeloso de Torres Vedras e a respectiva delegada do mp.





Koch, J.
(a pair of) male nude*
(1880)






[*só mostro um para não exagerar... pronto! rsrsrs]

quarta-feira de cinzas

R. Neuenschwander, Quarta-Feira de Cinzas (Epilogue) (2006)


Philip Glass, metamorphosis 1 (Branka Parlic ao piano)


by the way
a mudança será uma trabalho de formiga? onde fica a ideia de revolução? em termos individuais parece pacífico que a mudança exige um trabalho aturado, diário e portador de alguma humildade perante o insucesso...

Adenda: Então os Domingos não são incluídos na Quaresma? Alguém esclarecido que partilhe aqui o seu esclarecimento...

24 fevereiro, 2009

terça-feira gorda





Plate, W.
Mardi Gras
(1959)


Nina Simone, sinnerman

Freida Pinto









Freida Pinto, actriz indiana que participa no filme cheiinho de óscares Slumdog Millionaire, tem um sobrenome bem familiar cá entre nós. Esta circunstância recordou-me este sítio.
Façam a vossa experiência. Eu já fiz com os meus nomes de família. E os resultados são interessantes!







Cantam Autores, o barco vai de saída (Fausto)

23 fevereiro, 2009

nota alta





Riley, B.
carnival
(2000)



Ella Fitzgerald, samba de uma nota só
[ora ouçam...]

21 fevereiro, 2009

entradas do entrudo & pecados da carne & não só





Nega, I. da
carnaval do Batata
(s/data)






Ó entrudo Ó entrudo
Ó entrudo chocalheiro
Que não deixas assentar
as mocinhas ao solheiro

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Que no monte é qu'eu estou bem
Que no monte é qu'eu estou bem

Eu quero ir para o monte
Eu quero ir para o monte
Onde não veja ninguém
Que no monte é qu'eu estou bem

Estas casa são caiadas
Estas casa são caiadas
Quem seria a caiadeira
Quem seria a caiadeira

Foi o noivo mais a noiva
Foi o noivo mais a noiva
Com um ramo de laranjeira
Quem seria a caiadeira

(Popular, Beira-baixa)


Canto da Terra, moda do entrudo
[não encontrei a versão do Zeca Afonso)
___________________________

HOMENS E MULHERES PECAM DE FORMA DIFERENTE
Um estudo realizado pelo Vaticano, tendo como base a análise das confissões dos católicos, concluiu que os homens e as mulheres pecam de forma diferente.

O pecado mais cometido pelas mulheres é o do orgulho. Já os homens são mais dados à luxúria, sendo que apenas o apetite sexual consegue destronar a gula.

O estudo foi conduzido por um jesuíta de 95 anos e o próprio teólogo de serviço do Papa Bento XVI, Monsenhor Wojciech Giertych, apoiou as conclusões.

No ano passado, o Vaticano actualizou a lista dos pecados mortais, para os adaptar à era da globalização. Um deles era a "ganância financeira".

notícia daqui

[não que eu seja muito entendida, mas parece-me óbvio que a forma seja diferente
ah! e a "ganância financeira"... já não ligam nada ao Vaticano... e do Markinson, lembram-se :))]

claros desafios




Morán, R.
football ball
(escultura, s/ data)



O meu amigo CS deve estar radiante!
O meu cunhado já vai estando habituado!
O meu filho deve estar indeciso quanto ao estado de alma... assim, na próxima jornada, os verdes estarão mais confiantes para tomarem o rumo do norte ...

sábado de manhã (44)





MacKeown, J.
the sleep
(s/data)

20 fevereiro, 2009

sol






Ottmar, B.
houses in the sun
(2008)





depois de tanta chuva, com o sol da última semana até as casas estão mais bonitas...
tempo de "desbolorar"; tempo de criar cores; tempo de ir em frente e preparar a recepção à prima que, veramente, já não demora muito!


George Harrison, here comes the sun

19 fevereiro, 2009

continência ao botox

Era você que desdenhava de quem botava botox? Ora leia aqui

mão do tempo



Walker, M. L.
hands of time




MÃOS DADAS


Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.

Carlos Drummond de Andrade, amar-amaro (antologia poética, dom quixote, 149)


Geraldo Vandré, pra não dizer que não falei de flores

(acho que vão gostar de recordar a canção. um hino. deixo o refrão para aguçar o apetite. ok. eu sei que têm pressa... ainda assim)

vem vamos embora
que esperar não é saber
quem sabe faz a hora
não espera acontecer

18 fevereiro, 2009

prémios & agradecimentos (2)

OJosé Manuel Dias do Cogir, fez a sua lista e colocou lá o branco no branco! Mais uma vez muito obrigada e as minhas desculpas por não continuar a cadeia! Já me expliquei aqui!
Obrigada ao José Manuel Dias!

próxima continuação

acabei de ouvir a Conceição Lino ali na sic despedir-se dos convidados assim: até uma próxima!
bolas, seguimento Li-no-ar da continuação?

mais exercitação do entendimento




Mcginness, R.
the true knowledge of things
(2007)



A propósito de TOLERÂNCIA recordo o post de 18 de Novembro de 2008: EXERCITAÇÃO DO ENTENDIMENTO.
[Ah! vai bem com a EMPATIA entendida como capacidade para nos colocarmos do ponto de vista do outro...]
[não tarda nada entro para as carmelitas descalças?... claro que não... olha logo eu que não gosto mesmo nada de ter os pés frios...balhamedeus! :)))]

nem sei se isto tem cabimento na ética bloguenta, mas...



Edenmont, N.
big wedding
(2005)


Ninguém é perfeito. Muito menos eu. O mal foi ter visto o programa prós e contra da RTP1 anteontem, a propósito do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Logo eu que quase nunca vejo o programa. Que me falta a paciência. Mas vi.
Houve momentos que me recordaram modos de funcionar semelhantes aos da campanha do 1º referendo sobre a IVG, em 1997, em que me envolvi seriamente a favor do SIM. O referendo perdeu-se por muitas e profundas razões, mas continuo convencida de que um certo discurso agressivo e quase histérico e a atitude arrogante de certos sectores com muita visibilidade, além de não convencerem ninguém, só espantavam indecisos e desmobilizavam a participação. Fico com uma quase angústia por verificar que permanece a incapacidade para se perceber que a natureza dos assuntos também deve ditar posturas e modos de os apresentar. Uma coisa é discutir aeroportos e défices, outra é discutir assuntos da natureza do abordado neste programa. É preciso ter uma atitude pedagógica que nada tem a ver com paternalismo. Vai daí, fui aos blogs onde alguns participantes escrevem e deixei a minha opinião relativamente à sua participação. Gratuita está bom de ver... gratuita e sem que ma tivessem pedido.

Aí vai um "comentário" deixado à f. (jugular)

Ponto prévio: sou a favor! Muito mais por razões práticas, essas sim, relativamente fáceis de equacionar num quadro de entendimento aberto, tolerante (no sentido da compreensão) e livre do mundo e da vida, do que por razões teóricas. Estas são-me sempre difíceis de equacionar por manifesta impreparação minha em matérias teóricas que podem ajudar a suportar a tomada de posição. Politicamente não tenho a mínima dúvida de que, por exemplo num referendo, votaria sim!

E, legitimada por esta minha posição clara, permito-me dizer-lhe, lamentando ter de o fazer, que a sua participação foi desnecessariamente agressiva e sobranceira. Pouco tolerante, portanto. E essa postura (partilhada também pela senhora que estava ao lado do MVA e pelo Daniel Oliveira) não ajuda ninguém a esclarecer-se. Contribui muito para a radicalização de posições. Se, nestes debates não está em causa um resultado tipo desportivo em que se ganha o jogo e tudo termina aí, mas, pelo contrário, está em causa debater argumentos que permitam ajudar quem não tem posição a poder esclarecer-se e alargar o seu quadro de referências sobre o assunto, convenhamos que a postura e o modo como as coisas são ditas não são de somenos importância. A vida não é preto ou branco... tem matizes que precisam de ser tidos sem conta. E, nem toda a gente que não pensa como nós ou não tem posição clara é, à partida, mal intencionada, burra, desinteressada. E ser pedagógica a apresentar o nosso ponto de vista nunca fez mal a ninguém, nem nos torna uns paternalistas desinteressantes.
Peço desculpa se extrapolei. Mas não consigo ser paternalista com alguém que não precisa de ser agressiva nem sobranceira para ser ouvida!

(nota: aqui corrigi duas coisitas de "português". como escrevi o comentário de carreirinha ...)

amão




Maelzer, L.
clapsed hand
(2008)





A MÃO

A mão
que no fundo da noite chama

num sopro mais ligeiro
que o desejo

ou o cheiro
do feno quente ainda
da última gota de água,

a mão
esquece a água onde fez ninho

e vai pousar
entre o frio dos joelhos

devagar.

Eugénio de Andrade, obscuro desejo, 55


Katie Melua, piece by piece

17 fevereiro, 2009

é cada tirada!


escrever faz-me bem. as palavras são sempre ex-pressão!

prémios & agradecimentos

O JPD do blog a gaiola de Darwin nomeou-me, numa cadeia de atribuição de prémios de blogs. Só posso agradecer. E faço-o convictamente: muito obrigada!
Contudo, só dei seguimento a estas cadeias em duas ocasiões. Estas aconteceram porque o pedido era, em última análise, "falar sobre mim". Recordo-me de pensar que nunca responderia a um pedido que me obrigasse a escolher os blogs de que mais gosto. Como gosto de blogs por motivos muito diferentes, sinto-me completamente incapaz de escolher meia dúzia, muito menos de os hierarquizar. Acresce que, das vezes que tentei dar seguimento, não fui nada bem sucedida. Portanto, peço desculpa, mas não vou continuar a cadeia.

Quer isto dizer que não tenho preferências? Teoricamente posso não as ter mas, na prática, tenho-as como toda a gente. Como sei isso? Muito simples... experimentem o seguinte exercício: têm só 10 minutos para abrir blogs: quais abrem, de facto? Não há como fugir a esta resposta eloquente da prática.
Mas, e os problemas da vida estão muitas vezes nos "mas", o facto de os sabermos lá, à espera de serem abertos e lidos mais tarde, não interfere na decisão? A resposta seria igual se se tratasse de: ou lês agora ou não lês?

Obrigada JPD!

[nota importantíssima: o facto da senhora da imagem estar em primeiro é só porque não consegui arranjar uma senhora assim tão lindinha noutro lugar do pódium! rsrsrs que eu tenho-me em conta comedida, ora bem.... : )))))]

sem título (com aditamento)





Edenmont, N.
big wedding
(2005)





a propósito disto e porque tenho estado a ouvir isto

[A pergunta inevitável: quem terá sido o/a malandro/a que a deixou sozinha?]

Nota à margem e razoavelmente em cima da hora do programa prós e contras (a merecer mais ponderação...)
. Não gosto de gente arrogante a discutir.
. Quem mais convence é quem mais apresenta os argumentos num quadro, ele sim, de tolerância (Eh... tolerância no sentido da compreensão).
. Acho incrível como há gente que aceita ir debater assuntos sem se preparar. Com base na fé. O tempo em que a fézada chegava acabou.
. O desporto já o mostrou há muito: só se compete entre iguais. Assim, foi uma cabazada a favor do sim, case-se com quem quiser. que também é a minha posição. que detestei a agressividade de algumas pessoas do sim. que se tivesse de ser convencida, não era o modo delas que me convencia.
oh pah mas isto sou eu aqui a escrever isto...

16 fevereiro, 2009

tudo bons rapazes

fraudes na reconstrução do Iraque pelos EUA podem ser maiores que a de Madoff

all we need is ... ah poizé!







Hirst, D,
all you need is love
(2007)



Mr. Bean, sex bomb

dez abafo






Dharmadada
allemal sinnvoller
(2000)







nota prévia:
no arremedo de editorial que tenho ali ao lado digo claramente que este é um espaço lúdico. mainada!
:)

contudo, porém, não obstante, todavia ...

às vezes dou uns bordejos por aí. vou a blogs ditos a sério, (de referência) que não constam da minha lista restrita nem da mais alargada. e vou vendo, além de ler... com a devida ressalva que as generalizações necessitam e sabendo que escrevo directamente sem grandes elaborações, aí vai:

1) levam-se mais a sério do que o marco paulo a cantar os dois amores enquanto muda coordenadamente o microfone de mão para mão, preocupado em não o deixar cair
2) há egos mais insuflados do que aqueles bonecos plásticos que esvoaçam a anunciar pneus ou lá o que é
3) frequentemente se substitui a imaginação a criatividade e a irreverência, por exageros tão óbvios quanto de mau gosto.
4) insultam-se frequentemente, mostrando que, nesta coisa dos blogs, a natureza humana também gosta muito de descer ao chinelo
5) é pena que, muitas vezes, não se acrescente quase nada, se tenha uma memória curtíssima ou mesmo a ausência dela.
6) tiradas tipo frase do dia ou pensamento do dia, muitas vezes são um exagero daqueles muito fáceis de arranjar, armados em provocação em forma de frase.
7) ideias novas são raras, abordagens dos assuntos de forma inovadora raríssimas. não me parece coerência, parece-me formatação.
8) o "elitismo" é visível e a circularidade sufocante.
9) competem imenso pelo melhor lugar no ranking
10) há blogs extraordinários (normalmente são individuais)

muito gosto eu dos blogs da "minha lista"*

[isto saíu. ok. hesitei se devia publicar. são impressões. não quero minimizar a importância de nenhum espaço... quem sou eu.]

* just in case: a "minha lista" é mais alargada do que a lista ali ao lado... não que isso seja muito importante, mas qualquer dia vou actualizá-la!

15 fevereiro, 2009

café de domingo conversado





Hashemi, Narges*





Ontem, sábado, não coloquei a senhora dorminhoca. Ficam aqui hoje estas senhoras, supostamente a conversar e em atitude de comunhão. É isto que farei, no fim da manhã, com um grupo de amigas, num ritual de muitos anos, que se cumpre todos os domingos, que é muito importante para mim e a que só se falta por motivos verdadeiramente ponderosos!


Simon and Garfunkel, bridge over troubled water (live in 1969)

*
[Não consegui averiguar a data e o título deste quadro desta pintora iraniana. Imagino que seja de uma série today is a gift. Mas não garanto.]

esta história foi num dia de s. valentão

Vernon, P.
heart chair


Era sábado, dia de final da taça de Inglaterra, num tempo em que as transmissões de jogos de futebol na tv eram raríssimas. Ele, dependente de futebol, "desapareceu" o dia quase todo.
_ Só um assunto muito importante te impede de veres um jogo na televisão. Então a final da taça de Inglaterra...
_ O jogo? Ah! Esqueci-me!
Pois ela nunca mais se esqueceu. Sobretudo da mentira.

14 fevereiro, 2009

oh menina, quem me dera a mala (actualizado)


Costa, L. C.
nothing to declare
(2001)

pois eu cheguei bem, tudo a horas, a ligação em lisboa funcionou apesar do pouco tempo... aeroporto de Sá Carneiro 5 minutos antes da hora prevista... tempo bom... sol... SOL!
meia dúzia de gatos pingados depois do tapete rolante das malas parar... as malas não tinham vindo. são quase 10 da noite... informaram-me que a mala chegou ao aeroporto às 8 e pouco... a ver se estava em casa para ma virem entregar... [ficaram de ma vir trazer a casa, porque a funcionária que atendeu a reclamação, nem ponderou que fosse eu a ir buscá-la, (para acelerar a entrega e ter a mala ainda hoje, porque entregas no domicílio só amanhã, domingo), dado o meu arzinho (ainda não estou bem e nota-se e ela notou eu notei que ela tinha notado e, afinal, no meio de chatices pode haver manifestações de coisas boas)] ... claro que podem... aliás, estou à espera ...
já estava a escrever este post... recebi um telefonema de uma "pessoa masculina", animadíssima, que se intitulou "chófer da TAP", a dizer que só ia ali tomar um cafezinho mas que a malinha vinha já...
_ estou à espera há quase 2 horas!
_ d. fulana, esteja descansadinha... só vou ali tomar um cafezinho.
_ mas vem hoje?
_ oh d. maria, é só um cafezinho... não demora meia hora estou aí!

ground force? what? ground weak mazé!

actualização1: qual meia hora qual carapuça...
actualização 2: estive a fazer de GPS através do telelé
actualização 3: mais informações tipo GPS (eu bem desconfiei que não era cafezinho nenhum... o café não dá aquela animação toda... e para andar por aí desnorteado...)

actualização final (22.50): a mala chegou [o sr. "chófer" tresandava...]

sábado de manhã... (43)




Mcewen, A.
I'm so tired
(2007)




vou deixar isto programado (ah pois, aprendi há pouco mas aprendi)... porque à hora em que normalmente aparecem aqui as senhoras dorminhocas, estou eu pelos ares, de volta... regresso a casa o mais depressa que posso... o que implica levantar-me um pouco antes das 6.30 da madrugadíssima. não me conhecesse eu bem e poderia duvidar se o meu sábado seria completamente estragado. e não é por causa do estado febril em que tenho andado... balhamedeus, não há modo de gostar de me levantar cedo!

13 fevereiro, 2009

gracias



LeWitt, S.
doctor of the world
(2001)


ok. o título do quadro é exagerado nesta circunstância, mas trata-se de não deixar passar em claro e dizer bem haja a quem, à distância, me fez sentir medicamente acompanhada e a quem, aqui perto, tratou de desfazer trocas e arranjar receita para o que faltava e me veio buscar e trazer e percebeu que o trabalho tinha de se reduzir ao mínimo ... bem, olhando para o meu beicinho inferior, infere-se logo que a coisa não foi nada branda... bem hajam também os que aqui me desejaram melhoras e, sei lá... apesar das fotografias tortas e tudo e tudo! :))

12 fevereiro, 2009

desagravo





Dauge, B.
le voyage
(2007)






[afinal, quem aqui chega, não tem culpa nenhuma das manifestas limitações aqui da gerente do estabelecimento para captar imagens, seja por intrínseca falta de jeito, seja por limitações do material, seja por tudo... (como se pode verificar no post aí em abaixo.... da janela). descansem pois a vistinha no quadrinho da Beatrice Dauge] :)))))

da janela







não me penalizem sem eu me explicar. são do telemóvel. tiradas de dentro do quarto do hotel. médico oblige fazer o mínimo necessário e voltar para o sossego.
quando tomava o pequeno almoço, às 8.30, chovia tanto, mas tanto, que parecia que a ilha se ia afogar. pela hora do almoço brilhava o sol. agora, fim de tarde, tudo se divide entre um pouco de cinzento, azul e a luz do sol que teima em se mostrar antes de ir dormir. Ah! e já tenho os comprimidos certinhos. existem sempre uns anjos da guarda...
(as fotografias foram tiradas pela sequência apresentada)



11 fevereiro, 2009

ar fesco



Saint James, S.
a breath of fresh air
(s/ data)


Madredeus, as ilhas (dos Açores)

[gosto mesmo muito das canções populares açorianas. quando eu podia cantar, nas animações que fazíamos em grupo, era certo e sabido que tinham um lugar privilegiado... queria colocar aqui uma... mas no you-tube não encontro nada de jeito; assim sendo repito os Madredeus cuja música mostra bem o espírito (whatever...) das ilhas]

balhamedeus

Estou com alguma febre... com viagem marcada e compromissos fora de casa, telefonei para saber o que fazer... depois de descrever rapidamente os sintomas... compre o... e o... e tome de tantas em tantas horas. Ainda na para-farmácia do aeroporto comprei... Cheguei ao hotel e tomei.... reparei há pouquinho que em vez de Benuron (escreve-se assim?) comprei Brufen. Vá lá, não errei em tudo... começam ambos por B.

ir





Carter, R.
travelling still,
lenk, switzerland
(2007)




vou ali a uma ilha de que gosto muito. onde azul e verde predominam. onde a lagoa (do fogo) me provoca um bom tumulto interior.

10 fevereiro, 2009

em fevereiro...






Doelling, C.
february daisy
(s/data)


uma flor para quem aqui chegar.*

Miles Davis & John Coltraine, so what (live 1958)
* apesar de não ser com flores que se limpam crises... eu sei... eu sei...mas é a crise, é a chuva que nunca mais acaba...

09 fevereiro, 2009

frases tipo assim



Dehai, P.
exercise series – golf



"estamos aqui num jogo de golfo"*

Júlio Pereira, fado luso
*
(citei S. Excia o Sr. PR)

nem tudo o que reluz é oiro...


Nossa Senhora de Caravaggio e a vidente Joaneta
mural de Aldo Locatelli
igreja de Santo Pelegrino, Caxias do Sul.


Quando, em pleno campeonato europeu, se soube da contratação do agora ex-seleccionador da selecção portuguesa de futebol (masculina) para o Chelsea, eu (que sei que percebo pouco do assunto), atrevi-me a dizer o seguinte (em privado, claro): se o senhor (ex-seleccionador) passar do Natal lá no Chelsea, será para mim uma surpresa. Errei. Passou do Natal! Não chegou ao Carnaval ...

07 fevereiro, 2009

06 fevereiro, 2009

...







Waldach, B.
pause
(2008)










Madahar, N.
cosmoses mixed X (positive)
(2007)

05 fevereiro, 2009

a ver


Koneva, A.
from the series 'we play'
(2002)

Um rasto que aqui deixo ... eu gostei de ver!

com muita dranquilidah



Cattelan, M.
installation shot of stadium
(1991)

SCP 4 FCP1
Sporting na final da taça da liga *

* a tal do caso do goul abereidge

04 fevereiro, 2009

e há "coisas" que não são nada precisas, são mesmo escusadas





Kostabi, M.
the mathematic of dreams
(1993)




"...
Categorias do impreciso
Há três tipos de fenómenos vagos conforme as causas da sua imprecisão:
1) Há fenómenos vagos porque o erro provável sobre a sua determinação é grande ou muito grande e porque o fenómeno enquanto forma tem contornos vagos, ou variáveis, mudando de uma ocorrência para outra. ...
...
2) Um grande número de fenómenos permanecem vagos porque não dispomos de técnicas de medida adequadas.
...
3) Há enfim fenómenos vagos por essência, quer dizer, em que os conceitos que servem para os enunciar são em si mesmo vagos, talvez inadequados, mas são os únicos de que dispomos.
..."
Abraham Moles, as ciências do impreciso, 11-12

by the way
mais uma valente descontextualização da minha parte. Mas ... vejamos:
1) há coisas que nem vagamente percebemos porque, sendo sempre iguais, são sempre feitas de modo diferente, por gente diferente e, por isso, surpreendem!
2) muitas coisas permanecem vagas porque a imaginação de quem as faz é tal que o "chão" que nos sustenta não nos dá dicas para as enquadrar!
3) há coisas vagas por essência ou seja, convém mesmo que ninguém perceba nada!
mdsol,
"bocas" sobre o que não é preciso e se dispensa, blog dispensável aka branco no branco

prontossssss pah, está desabafado :)) Ah! naturalmente cada um está convidado a fazer o seu próprio by the way... qu'isto aqui não é de proselitismos (bolas,... esta é carota...) rsrsrsrs
E pliiiiize, não se lembrem de "brincar" com o nome do autor do texto que citei... balhamedeus!

cenas tipo assim




Pierson, M.
sincerity
(1990)






_ leve-me consigo.
_ sim, trago-o!
não era preciso tanto...

[aqui entrava o tema "homem muito brasa" da Gabriela Schaf (1980)]

des qualquercoisa

ignorantes porque não sabiam o que é goal average, muito menos o que o distingue de goal difference e, muito menos ainda, percebem porque é que se evoluíu de um conceito para outro.
parolos porque, com a mania do inglês, colocam num regulamento actual uma expressão que nomeia um conceito que já não é usado há muitos anos. e a expressão diferença de golos é portuguesinha, mas escorreita. diz ao que vem sem delongas.
levianos porque fazem as coisas mal feitas e aprovam-nas sem se darem ao trabalho de as ler, a não ser nos aspectos em que lhes parece que podem ser favorecidos.
chicos-espertos porque, quando o problema se declara, em vez de naturalmente assumirem o erro e tirarem as devidas ilações, quer pessoais, quer de mudança do regulamento logo que possível, argumentam com o espírito da coisa e tal para, assim, não pagarem com o corpinho...

[até parece que comentamos a crise económico-financeira]

mas, comparar isto com:
o buraco do BPN ...
os despedimentos ...
os raides da aviação...

[este post pode desintegrar-se a qualquer momento]

03 fevereiro, 2009

trocadilhos escusados ...



escadas extraordinárias da livraria Lello, no Porto.


_ Então, que acham da "ideia" do Ministério da Educação acerca do trabalho voluntário nas escolas?
_ Nada Nós não Lemos
( saíu-m'isto por causa de uma troca de nomes já corrigida pelo Carlos Barbosa de Oliveira no Delito de opinião)

3 de fevereiro de 1963


.






 Wesselmann, Tom
birthday bouquet tulips and daffodils 
(1998)




Era um domingo de Fevereiro
e nevava, nevava, nevava
e no ar pairava um claro mistério além da neve
e a neve do céu deixou um anjo em nossa casa.
PARABÉNS!

Parabéns menina linda!

(aqui os parabéns de 2008)

02 fevereiro, 2009

serviço público (com todo o gosto)

A propósito do post gê pê esse do séc. XVII, pergunta-me vmb:
gê pê
_o que é?
resposta:
_é uma brincadeira com o título do livro "carta de guia de casados" de D. Francisco Manuel de Melo, de 1651. GPS (gê pê esse)

navegar é preciso...






Saint James, S.
up up & away








José Afonso, inquietação


bibó joego
o que resultou desta brincadeira.
e desta [nos comentários a cristal explica o que é uma barrela]

01 fevereiro, 2009

mais um desafio (parece um campeonato)

D ' O relógio de pêndulo chega-me mais uma vez o desafio ... dizer seis coisas sobre mim. Como já respondi longamente quando a Sofia Loureiro dos Santos do blog Defender o Quadrado me propôs a mesma coisa, poderia sentir-me desobrigada e não repetir. Mas, não. Vou facilitar e responder novamente:

1) Já fiquei retida num aeroporto bem complicado, e cheguei a casa dois dias mais tarde, porque o meu voo tinha sido na véspera.
2) Não uso guarda-chuva há mais de 20 anos. Desde aquela semana em que perdi os meus todos e os das minhas amigas mais chegadas.
3) No dia a dia uso um molho de chaves de fazer inveja ao S. Pedro, modo mais expedito que arranjei para não as perder várias vezes ao dia, todos os dias.
4) Só tirei a carta de condução aos 35 anos e só comecei a conduzir aos 40.
5) Tive aquela "experiência" do túnel em que entra a tal luz, uma voz e tudo, mas nunca dei importância ao caso.
6) Se não me "policiar" roo as unhas.

:))))

ADENDA
[eh, na prática não roo. digamos que era "propênsica" rsrsrs Ai que lá se me vai a "aura" rsrsrs]

1º de fevereiro






Xuan, Ai
tranquil february






[desejo a todos. embora, nos tempos que correm, não seja muito fácil]


Josh Groban, february song


Resultados das cinzas (votação)



Waterston, D.
ash
(2008)




 

 

Porque é que resolvi guardar a cinza da lareira?

total de votantes - 41
Para fazer sabão - 2 (4%)
Para por nas plantas, nos vasos - 8 (19%)
Para pintar a cara na minha próxima peça de teatro - 0
Para fazer um Pollock - 3 (7%)
Para alimentar uma fénix - 4 (8%)
Para semear rosas-de-lobo - 3 (7%)
Para sustentar que o mundo não é só feito a preto e branco - 3 (7%)
Para espalhar pelo mundo e assim enganar a morte - 5 (12%)
Para fazer uma grande barrela a este país - 13 (31%)

Muito obrigada por terem participado na "brincadeira". Agradeço aos que votaram e aos que responderam na caixa de comentários acabando por me dar a ideia de fazer a votação e por criar as outras alternativas.
A maioria acertou. A ideia da barrela surgiu-me num dia em que estava particularmente desapontada com tudo o que se está a passar. [Não tenho informações especiais. Resta-me ler, ouvir e raciocinar o mais rigorosamente que posso! Independentemente do desfecho há comportamentos de satisfação que me incomodam. Com a crise em que estamos (e está mergulhado o mundo), era bem preciso que todos canalizássemos o melhor de nós para a podermos encarar com alguma dignidade.]
Pensei que iria sair um texto brincalhão. Saiu isto. Devo andar demasiado incomodada.
Quanto a "fazer uma barrela" espero ajuda para explicar a quem, eventualmente, não saiba como se faz (ou melhor, "fazia")!
Como se diz na (também minha) beira (alta), bem hajam!