18 fevereiro, 2009

amão




Maelzer, L.
clapsed hand
(2008)





A MÃO

A mão
que no fundo da noite chama

num sopro mais ligeiro
que o desejo

ou o cheiro
do feno quente ainda
da última gota de água,

a mão
esquece a água onde fez ninho

e vai pousar
entre o frio dos joelhos

devagar.

Eugénio de Andrade, obscuro desejo, 55


Katie Melua, piece by piece

5 comentários:

Juani lopes disse...

aqui tendras siempre la mia
saluditos

in_side disse...

nada obscuro o desejo

( trans

parente



*

Duarte disse...

... devagar. O aconchego dessa mão amiga que aqui deixo.

Beijos

heretico disse...

mãos que falam...

belo.

Ana Paula disse...

É uma composição muito boa, desde a imagem à música de Katie Melua, passando pela sublime poesia de Eugénio de Andrade :)