21 setembro, 2008

estados, sidos & sentidos




Jing, Xiang
sleepless night
(2002)
escultura em bronze
====================================================================

O Olhar

Eu sentia os seus olhos beber os meus;
longamente bebiam, bebiam;
bebiam
até não me restar nas órbitas nenhuma
luz, nenhuma água,
nem sequer o sinal de neles ter chovido
naquele inverno.

Eugénio de Andrade, rente ao dizer


====================================================================


Friedrich Gulda (piano), emperor concert (Beethoven)

====================================================================

14 comentários:

Anónimo disse...

Homem carbonizado, ardido nas suas contradições?
Nao.
Um espírito descansado, deixando-se ir num trenó puxado por sonhos

T

Anónimo disse...

Homem carbonizado, ardido nas suas contradições?
Nao.
Um espírito descansado, deixando-se ir num trenó puxado por sonhos

T

~pi disse...

fui até ao leito

inicial dos rios:

confirmo que

alguns eram

secos

(( antes da água

nascer a correr

( fresca

e

limpa :)



~

Justine disse...

Mas que sintonia - hoje também me apeteceu Eugénio:))
Está-se bem, por aqui!

Juani lopes disse...

buena combinacion arte, letras y musica, que entres bien en el otño
saluditos

Duarte disse...

Eugénio sempre no mais alto. Que grande poeta.

Música propicia para acompanhar a tarde de hoje em Valência, chuvosa...

Beijos

WOLKENGEDANKEN disse...

Viva Gulda !! esse sim que na sua vida apenas fazia o que gostava

poetaeusou . . . disse...

*
Respiro o teu corpo:
sabe a lua-de-água
ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a luz mordida,
sabe a brisa nua,
ao sangue dos rios,
sabe a rosa louca,
ao cair da noite
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.
,
in-Eugénio de Andrade
,
obrigado pelo eugenio,
,
marés de amizade,
deixo-te,
,
*

intimidades disse...

haha nao foi de certeza tirada no frio.. bbrrrrr


Adorei o poema
para ja nao falar na imagem, adorava usar no meu trabalho
jokas

Paula

Carminda Pinho disse...

Quisera eu que um certo olhar me "cegasse" assim...

Muito bonito este "Olhar" de Eugénio.

Uma boa semana.
Beijos

Anónimo disse...

Sempre belo, o Eugénio (já encomendei dois livros dele em francês, porque Obviamente não me atrevo a traduzi-lo eu e quero citá-lo no blog "de lá").
E o querido Gulda que é sempre um prazer...
Já que estou no sempre : como sempre belas escolhas.
:)) José-Carlos

Véu de Maya disse...

O poema é estrelar...a música é sublime...e a imagem é um desafio existencial? telúrica composição. Gostei imenso.

boa semana

heretico disse...

embriaguez do olhar...

gostei. muito

mariam disse...

mdsol, que bom... E.Andrade,sempre! a música, este trecho não conhecia, gostei, e casa tão bem com este "olhar"...

um sorriso (e um olhar límpido) te dou :)

mariam