06 abril, 2009

palavras maduras





Frankenthaler, Helen
spring veil
(1986)







ESCRITO COM TINTA VERDE

A tinta verde cria jardins, selvas, prados,
folhagens onde cantam as letras,
palavras que são árvores,
frases que são verdes constelações.

Deixa que as minhas palavras, ó branca, desçam e te cubram
como uma chuva de folhas a um campo de neve,
como a hera à estátua,
como a tinta a esta página.

Braços, cintura, pescoço, seios,
a fronte pura como o mar,
a nuca de bosque no outono,
os dentes que mordem um fio de erva.

Teu corpo constela-se de signos verdes
como o corpo da árvore e rebentos.
Não te afronte tanta pequena cicatriz luminosa:
olha o céu e sua verde tatuagem de estrelas.

Octávio Paz, liberdade sob a palavra (antologia poética, Dom Quixote, 26)


José Afonso, verdes são os campos (Luís de Camões)

15 comentários:

Maria disse...

Gostei desta tinta verde (e falo das palavras...).
Ficaria aqui a ouvir o Zeca, o resto da noite... (tanta saudade!)

Um abraço

Analuka disse...

Lindo o poema de Octávio Paz, brindando os verdes! Deixo aqui um abraço alado e um convite para brindar azuis lá em meu blog, Ânkoras e Asas.

WOLKENGEDANKEN disse...

E o 1001 entao !! Que verdes. Adoro.Estou num periodo verde. Bom, nao é muito original na primavera, mas é assim:)) E uma aquarela com tinta ? Parece, e como é uma tecnica que descobri faz pouco vejo quadros de aquarela com tinta por todos os lados :))

Luis Bento disse...

A esperança do verde na apureza do branco...

Blondewithaphd disse...

E mais do que o poema, amei (mesmo!!!) a imagem que o ilustra! Such peace!

Véu de Maya disse...

Maria do Sol!

duas peças perfeitas...um poema escrito a verde...com tanta pureza e profundidade...e uma peça lírica de Camões cantada pelo inesquecível Zeca Afonso...Bem haja. e boa semana.
beijinhos

véu de maya

~pi disse...

não tenho lembranças não,

( sou virgem,

mas, costela de

raça asinina que sou,

( uuuuu > ups!!

esperanças!

( a liberdade cega,

verde-de-esperar :)



beijo




~

Ana Paula disse...

Lindo este verde!!

Uma cor que é de esperança... :)

Um beijinho com muito verde e poesia (a de Octávio Paz é excelente!).

Maria Velho disse...

Verde é uma das minhas cores de eleição. O José Afonso um cantor no coração. O Octávio Paz um poeta da imensidão.
Liiiiiindo!

Mr. Lynch disse...

Mdsol;
Lindas as palavras de Octávio Paz.
A voz de Zeca Afonso brilha as palavras do eterno Camões.
Boa semana
:)

mariam disse...

muito bonito, Mdsol!

já tinha saudades deste lugar :)
sorry as ausências...

a propósito desta música, deixo-te outra(a mesma) que tenho agendada para o 25 de Abril :) espero qur gostes.

Boa Páscoa!
um abraço e o meu sorriso amigo :)
mariam

Duarte disse...

Um canto ao verde, esperança de vida, as cores da nossa terra, da nossa cidade, do nosso Porto...

Esta voz encanta...!

Deixo-te beijinhos de agradecimento

Dois Rios disse...

Belíssimo poema, querido Sol!

A tinta verde também pinta a esperança em dias melhores.

Beijos pintados de verde do lado de cá.

Inês

Carminda Pinho disse...

...verdes são os campos da côr de limão, assim são os ollhos do meu coração...:)

Beijos

jrd disse...

Ou Lorca:
"Verde que te quero verde.../
...O barco vai sobre o mar e o cavalo na montanha..."