20 junho, 2010

há domingos assim (7)






Ezcurdia, Juan
the lovers
(2007)












Beethoven - sonata apassionata, 3º and.
piano Vladimir Horowitz

NINGUÉM MEU AMOR

Ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Podem utilizá-lo nos espelhos
apagar com ele
os barcos de papel dos nossos lagos
podem obrigá-lo a parar
à entrada das casas mais baixas
podem ainda fazer
com que a noite gravite
hoje do mesmo lado
Mas ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Até que o sol degole
o horizonte em que um a um
nos deitam
vendando-nos os olhos

Sebastião Alba, ninguém meu amor, a Rosa do Mundo - 2001 poemas para o futuro 2001,738

Um bom dia do senhor para quem passa. :)))
[Agora coloco a música antes das palavras para, pelo menos, ouvirem enquanto lêem! Ah poizé]

7 comentários:

Fernando Vasconcelos disse...

Não sei se gosto mais do poema, se do quadro se da música e olhe que sendo Beethoven para mim isso é já dizer muito :-) é curioso que nunca tinha visto esta sonata numa perspectiva assim tão serena. Creio que o poema e a pintura me levaram a ouvir esta obra de forma diferente. Obrigado pelo momento.

Daniel Santos disse...

um excelente momento em post. Texto e musica muito bem colocados.

(Ouvirem enquanto lêem e comentam.)

Um excelente Domingo.

Mr. Lynch disse...

Mdsol;
Um post perfeito! Uma imagem excelente, uma música inesquecível e um poema maravilhoso. Que visita tão boa! :))
Um beijo

jrd disse...

Ninguém! "Até que o sol degole o horizonte".

intimidades disse...

linda

e adorei a inovacao haha

Beijos
Paula

Violeta disse...

Há domingos assim, sim senhora!

lino disse...

Poema lindíssimo.
Beijinho