15 junho, 2009

que os versos vos façam sorrir e não só*






Wright, S.
feet on an orange towel
(2008)










MAL DE PÉS

Certo patrício nosso brasileiro,
Depois de ter corrido o mundo inteiro
Ao voltar de Paris desenganado
Dos médicos, que tinha consultado,
Achou-se num wagon com um inglês,
O desgraçado tinha mal de pés.
E a última palavra da ciência
Era ir vivendo e tendo paciência.

Mostrou-se o bife incomodado,
fungando para um e outro lado...
Como quem busca o foco de infecção;
Diz-lhe o nosso infeliz compatriota,
A apontar-lhe com o dedo a bota
E exalando um suspiro de paixão:
_ Eis a causa senhor, eis o motivo!...
O que eu não sei é como ainda vivo!
Tenho gasto rios de dinheiro,
E sempre, sempre, sempre o mesmo cheiro!

E isto por ora vá! ... mas alto dia
Quando aperta o calor... Virgem Maria!...
"E diga-me: em lavando os pés refina,
Ou sente algum alívio?"
_"Isso não sei,
Sei que tenho exaurido a medicina;
mas lavar é que nunca experimentei."

Às vezes dá-se ao médico o dinheiro
Que se devia dar ao aguadeiro.

João de Deus

* Não vale fazer leituras subliminares relacionadas com o actual momento político. Ou vale?
:)))

12 comentários:

Carminda Pinho disse...

Eheheh!
Só podia...
:)))

Beijos, Mdsol.

Ana Paula disse...

Mas que poesia refrescante e humorística com que nos presenteias!

Por mim, tenho a dizer que foi um "lavar do espírito", ao ler este poema :)

A sorrir, portanto, começo a semana..., graças a ti.

Um beijinho, md(Sol)!

Osvaldo disse...

Olá Mdsol;

Claro que vale, porque o actual estado político da nação é que os nossos governantes por nunca terem lavado os pés, estes já nem são pés mas sim galochas onde semeiam alhos e cebolinhos... e o Zé Povinho que aguente com as moscas!...

bjs
Osvaldo

António Abreu disse...

João de Deus tem razão mas, como se viu, as lavagens de cabeça às vezes não resultam.
Bjo

Justine disse...

Que mania a nossa de procurar as soluções nos locais mais longínquos, quando elas muitas vezes estão numa simples bacia de água fresca:))

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não sei se vale a pena a comparação, mas valeu a pena a leitura do poema...

Tia_Cunhada disse...

Fantástico Miss Solarenga! Que divertido...
Bjs e boa semana

Vieira Calado disse...

O João de Deus era um sujeito muito pândego.
Consta que duma vez, saindo de Coimbra para férias de Páscoa
só chegou a casa, no Algarve, depois das férias.
Ia ficando, pelo caminho, em casa de outros estudantes....

Cumprimentos

WOLKENGEDANKEN disse...

Tanto cheiro ja nao pode ser subliminar :))

António Torres disse...

Lavam as mãos do resultado,
Os governantes que por cá têm passado.
Não as lavam das causas dos cheirinhos,
Por serem governantes muito pequeninos
No valor e na mentalidade.
E assim se vai perdendo a nossa idade
Entre esta mediocridade e o mau cheiro,
Que põe à frente do país - o seu dinheiro.
:))))

Donnola disse...

o momento n sei mas n há como água e sabão para matar mta porcaria

Duarte disse...

Tudo vale, estamos em democracia! Mas fico por aqui.
Gosto da ilustração.

Beijos