30 novembro, 2010

just to see

porque hoje é terça


Morgan, lontano dagli occhi

Che cos'è?
C'è nell'aria qualcosa di freddo
Che inverno non è.
Che cos'è?
Questa sera i bambini per strada
non giocano più.

Non so perchè
l'allegria degli amici di sempre
non mi diverte più.
Uno mi ha det..to che
lontano dagli occhi,
lontano dal cuore,
e tu sei lontana,
lontana da me.

Per uno che torna
e ti porta una rosa,
mille si sono scordati di te.

Lontano dagli occhi,
lontano dal cuore,
e tu sei lontana,
lontana da me.

Ora so
che cos'è questo amaro sapore
che resta di te,
quando tu
sei lontana e non so dove sei,
cosa fai, dove vai.

E so perchè
non so più immaginare il sorriso
che c'è negli occhi tuoi
quando non sei
con me.

Lontano dagli occhi,
lontano dal cuore,
e tu sei lontana,
lontana da me.

Per uno che torna
e ti porta una rosa,
mille si sono scordati di te.

Lontano dagli occhi,
lontano dal cuore,
e tu sei lontana,
lontana da me.

Per uno che torna
e ti porta una rosa,
mille si sono scordati di te.
Lontano dagli occhi,
lontano dal cuore,
e tu sei lontana,
lontana da me.

29 novembro, 2010

parabéns oficiais






Freilicher, Jane
white orchids
(2005)




O blog das palavras claras, generosas e diárias faz hoje 6 anos. Muitos parabéns.
Faz muito bem ir lá ler.

pitonisa

Quando for grande também quero adivinhar assim. Um verdadeiro artista, o protagonista do filme.

dia gelado







Smith, Doug
first snow






Brrrrrrr - que gelo

Confirma-se: o futebol é um jogo de equipa.

desafago & desabafo




Banus, Juan Pablo C.
sad truth



Leio por aí que a sic anda em conversações para contratar uma senhora em cujo umbigo cabem dez códigos deontológicos, quarenta e nove inimigos pessoais, três ou quatro amigos pessoais,  a malta da redacção, um país e o que vier. A ser contratada nos moldes apresentados, e com as provas dadas no seu passado remoto e recente, não me parece que seja o contexto que a vai enquadrar, mas sim uma manifestação inequívoca de que a linha chanata-de-salto do jornalismo vence no referido contexto. E, deste modo, se atribui um valor hipostático a uma estrela decadente que assim se ri no nariz dos que mourejam realmente no dia a dia das redacções e dos que tentam manter uma classe profissional digna de assim ser considerada. É a crise, sei lá!

manhã de segunda, mas uma boa semana (56)







Baker, Kim
roses 2
(2010)






 Ora passem muito bem todos os que por aqui passam! :)))




Camané, guerra das rosas

28 novembro, 2010

diz abafo


Betts, William
favela, Rio de Janeiro
(2009)
Mittarakis, Lia
Rio de Janeiro

Tenho andado com o coração apertadinho com o que se está a passar no Rio de Janeiro. Sei que não é assunto fácil e que as soluções simples não existem. O que sinto resulta de um emaranhado racional e emocional que não resiste, em argumentação, além do que a minha sensibilidade geral e do que várias experiências me permitem conhecer.  Uma delas: casal amigo, ambos bastante mais velhos do que eu, militantes de esquerda, activistas de longo tempo, daqueles que enraizaram as suas crenças e ideologia em tempos da ditadura, em combates bem difíceis. A posição contra a violência iam-na buscar sobretudo ao falhanço político e das políticas sociais em particular. As soluções todas longe da utilização de força. Culpas todas do lado da sociedade que produz e segrega os seus filhos menores,  vamos lá a saber quem é mais bandido se os que descem o morro ou os que sobem o planalto. Um dia, na sua casa nova, marido fora no estrangeiro, foi sequestrada na sua própria casa nova. Esteve em cárcere durante dias, de arma apontada, sem comer, sem descansar, a ter de implorar uma ida à casa de banho, tudo o que essas cenas arrastam. Privacidade violada, violência gratuita, requintes de malvadez perante a impotência de quem sozinho nada pode fazer contra três indivíduos armados... Julgo que os seus quase setenta anos a salvaram in extremis das ameaças do último abuso, o abuso sexual explícito. Mas, o que mais a magoou, o que lhe deixou marcas que a levaram à depressão, o  mais difícel de ultrapassar, não foi o que eles levaram, não foi a devassa ter sido tão profunda que teve de vender a casa nova dos seus sonhos, no lugar dos seus encantos. O que a desfez por dentro e por fora, foi ter percebido - os olhos deles Maria, não posso esquecer tanta animalidade - que a sua solução tão óbvia para aquele problema tinha desabado completamente e com ela um certo entendimento do ser humano e do mundo.

palavras cruzadas




Mondrian, Piet
composition with blue and yellow
(1929)



Filho de peixe, espeto de pau e em casa de ferreiro um assado nada mau.

há domingos assim (24)







Heard, Audrey
november zinneas 4








um bom dia do senhor para todos. :)))



Tom Waits, november

27 novembro, 2010

partida em patada





Bravo, Claudio
triptico azul y verde
(2010)




A partida acabou com um do sporting e um do porto, o que dá um xis na coluna do meio. :)

sem tomar nada







Howard, Wolf
the cold outside







Fui num pé e vim no outro à cidade do Nabão. E não é que voltei sem tomar nada? :))))

sábado de manhã (136)




Paczka, Ferenc
sleeping girl
(sem data)

26 novembro, 2010

não sei se havia necessidade (12)





Leonardo da Vinci
Mona Lisa (La Gioconda)
1503-1506



Dedron*
Mona Lisa with pet
(2009)
*artista tibetano.


25 novembro, 2010

parabenização






Wesselmann, Tom
birthday bouquet tulips and daffodils
(1998)




pode não se concordar
com tudo o que se lá lê
mas é sempre salutar
(tentar) ler o comprimido*.

Parabéns x cinco

* Não rima mas é verdade :)))

preto e branco coloridos


Stan Getz & Astrud Gilberto, corcovado

[Adenda: Este vídeo estava programado há muito, naquela tentativa do bnb não ficar desamparado muito tempo. Mal eu sabia que, nesta altura, as notícias do Rio também seriam estas]

balanço do desequilíbrio


Parece-me que a tradução de balance por balanço é a modos que precipitada. Deixo ao critério de quem vê.

24 novembro, 2010

grave geral




Tusinski, Karen
poppies in black and white





Como se não bondasse a crise, a austeridade... Tantas pessoas que se sentem tão mal com isto. Faço o que posso e deixo florzinhas saltitantes :)))

olhómetro

Estava mortinha por ver quanto mediriam o oito e o oitenta de hoje.

um bom dia, em geral







Rivera, Diego
el vendedor de alcatraces








... e, em geral, que todos passem um bom dia


[Adenda em forma de perguntas: alguém me explica porque razão ou razões, em dia de greve geral, há blogs que "estão fechados"? Isto não é da ordem do trabalho, pois não?]

23 novembro, 2010

euroenglish ('manias', digo eu) mas no 5º ano a cena torna-se deveras interessante: lede ... Ze drem vil finali kum tru.




Heffernan, Terry
baseball flag
(fotografia)






The European Union commissioners have announced that agreement has been reached to adopt English as the preferred language for European communications, rather than German, which was the other possibility. As part of negotiations, her Majesty Government conceded that English spelling had some room for improvement and has accepted a five-year phased plan for what will be known as EuroEnglish (Euro for short).

In the first year, "s" will be used instead of the soft "c". Sertainly, sivil servants will reseive this news with joy. Also, the hard "c" will be replased with "k". Not only will this klear up konfusion, but typewriters kan have one less letter.

There will be growing publik enthusiasm in the sekond year, when the troublesome "ph" will be replased by "f". This will make words like "fotograf" 20 per sent shorter.

In the third year, publik akseptanse of the new spelling kan be expekted to reach the stage where more komplikated changes are possible. Governments will enkourage the removal of double letters, which have always been a deterent to akurate speling. Also, al wil agre that the horible mes of silent "e"s in the languag is disgraful, and they would go.

By the forth year, peopl wil be reseptiv to steps such as replasing "th" by "z" and "w" by "v". During ze fifz year ze unesesary "o" kan be dropd from vords kontaining "ou" and similar changes vud of kors be aplid to ozer kombinations of leters.

After zis fifz year, ve vil hav a reli sensibl riten styl. Zer vil be no mor trobls or difikultis and evrivum vil find it ezi tu understand ech ozer. Ze drem vil finali kum tru.

que coisa

coisas que nem a minha maior benevolência há-de algum dia compreender.

[Adenda: tem razão o Francisco Clamote que, nos comentários, me chama a atenção para a fonte... de facto não é lá muito fiável]

. . .


Pedro Abrunhosa, fazer o que ainda não foi feito

porque hoje é terça


Milton Nascimento, quem sabe isso quer dizer amor

Cheguei a tempo de te ver acordar
Eu vim correndo à frente do sol
Abri a porta e antes de entrar
Revi a vida inteira
Pensei em tudo que é possível falar
Que sirva apenas para nós dois
Sinais de bem, desejos vitais
Pequenos fragmentos de luz
Falar da cor dos temporais
Do céu azul, das flores de abril
Pensar além do bem e do mal
Lembrar de coisas que ninguém viu
O mundo lá sempre a rodar
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer
Pensei no tempo e era tempo demais
Você olhou sorrindo pra mim
Me acenou um beijo de paz
Virou minha cabeça
Eu simplesmente não consigo parar
Lá fora o dia já clareou
Mas se você quiser transformar
O ribeirão em braço de mar
Você vai ter que encontrar
Aonde nasce a fonte do ser
E perceber meu coração
Bater mais forte só por você
O mundo lá sempre a rodar,
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer

22 novembro, 2010

manhã de segunda, mas uma boa semana (55)







Heard, Audrey
November zinneas 1








Mesmo com um pano de fundo escurito, espero que tenham uma semana claramente colorida. :)))

21 novembro, 2010

há domingos assim (23)







Tusinski, Karen
november fog








Um bom dia do senhor para todos. :)))

Ravi Shankar & Philiph Glass, channels and winds

20 novembro, 2010

dançar como amigo só










Sérgio Godinho, dancemos no mundo





brincadeira a partir da fotografia de Tiago Miranda, publicada na primeira página do Expresso de hoje, dia 20 de Novembro de 2010


 Isto é como tudo
não há-de ser nada
a minha namorada
é tudo que eu queira
mas vive para lá da fronteira

Separam-nos cordas
separam-nos credos
e creio que medos
e creio que leis
nos colam à pele papéis

Tratados, acordos
são pântanos, lodos

Pisemos a pista
é bom que se insista
dancemos no mundo

Eu só queria dançar contigo
sem corpo visível
dançar como amigo
se fosse possível
dois pares de sapatos
levantando o pó
dançar como amigo só

Por ódio passado
(que seja maldito)
amor favorito
não tem importância
se for é de circunstância

Separam-nos crimes
separam-nos cores
a noite é de horrores
quem disse que é lindo
o sol-posto de um dia findo

Sozinho adormeço
E em teu corpo apareço
Pisemos a pista
é bom que se insista
dancemos no mundo

Eu só queria dançar contigo
sem corpo visível
dançar como amigo
se fosse possível
dois pares de sapatos
levantando o pó
dançar como amigo só

Em passos tão simples
trocar endereços
num mundo de acessos
ar onde sufocas
lugar de supostas trocas

Separam-nos facas
separam-nos fatwas
pai-nossos e datas
e excomunhões
acondicionando paixões

Acenda-se a tua
luz na minha rua

Pisemos a pista
é bom que se insista
dancemos no mundo

Eu só queria dançar contigo
sem corpo visível
dançar como amigo
se fosse possível
dois pares de sapatos
levantando o pó
dançar como amigo só

sábado de manhã (135)







Peabody, Louise
absence
(2008)

19 novembro, 2010

16 novembro, 2010

muda






Millet, Jean-François
the bouquet of daisies
(1871-74)




A pausa continua porque continuo sem tempo. Só me escapuli um bocadinho para vir mudar as flores. :)))

porque hoje é terça


Elis Regina, é com esse que eu vou

Com esse que eu vou sambar até cair no chão
Com esse eu vou desabafar na multidão
Se ninguém se animar
Eu vou quebrar meu tamborim
Mas se a turma gostar vai ser pra mim
É com esse que eu vou sambar até cair no chão
É com esse que eu vou desabafar na multidão
Se ninguém se animar
Eu vou quebrar meu tamborim
Mas se a turma gostar vai ser pra mim
Quero ver o ronca-ronca da cuíca
Gente pobre, gente rica, deputado, senador
Quebra quebra eu quero ver
Uma cabrocha boa
No piano da patroa batucando
É com esse que eu vou
Mas quebra, quebra que eu quero ver
Muita cabrocha boa, no piano da patroa
E é com esse que eu vou
E é com esse que eu vou
Mas é com esse que eu vou
Sambar até cair no chão
Com esse eu vou desabafar meu coração
Sambar na multidão
Com esse eu vou
Desabafar meu coração
Com esse eu vou
Desabafar na multidão
Meu coração, eu vou
Eu vou, eu vou, eu vou
É com esse que eu vou
Eu vou
Com esse eu vou
Eu sei que vou
Sambar na multidão
Desabafar....

15 novembro, 2010

13 novembro, 2010

12 novembro, 2010

pausa







Waldach, B.
pause
(2008)














Madahar, N.
cosmoses mixed X (positive)
(2007)






Por manifesta falta de tempo. As senhoras de sábado de manhã, completamente emancipadas e cheiinhas de autonomia, cá estarão! E a música de terça. Até já! :)))

e quem não se sente não é filho de boa gente: eu sinto-me bem




Pasmore, Victor
points of contact  nº2
(1964)





Muito obrigada pelos mimos a propósito dos quatro anos do blog. Uma certa comoção deixa-me com poucas palavras, eu que normalmente as tenho pelos cotovelos. Grazie mille. Bem hajam! :)))

11 novembro, 2010

quatro anos






Qiuchi, Chen
sem título
(sem data)






Pelas minhas contas faz hoje 4 anos que o bnb começou a aparecer. Mantenho tudo o que disse aqui *.
Ficam flores para quem chega. Muito obrigada a todos. From the bottom of my heart.

[* Se puderem leiam porque está lá o que ainda hoje me apetece dizer. (Não editei o texto de há dois anos e, se repararem, na altura escrevia sem maiúsculas. Deixei de escrever assim no dia em que descobri que ... ). :)))] [Vale a pena ampliarem a imagem. Basta colocar o cursor em cima da dita e clicar.]

10 novembro, 2010

depois da chuva


René Aubry, après la pluie

provérbios à minha moda (9)







Treat, Robert
containment 3
(2010)







Quem não deve não treme.
Miudezas não pagam a dívida.
Mercados mercados, amigos à parte.

09 novembro, 2010

num gosto dele, prontosssssssssssssssssss

E eu que não sei tuítar. Cheguei ao texto a partir daqui.

[Adenda: E cheguei aqui a partir do comentário do JRD]

porque hoje é terça

 
Ivan Lins, depois dos temporais

Sempre viveram no mesmo barco
Foram farinha do mesmo saco
Da mesma marinha, da mesma rainha
Sob a mesma bandeira
Tremulando no mastro
E assim foram seguindo os astros
Cortaram as amarras e os nós
Deixando pra trás o porto e o cais
Berrando até perder a voz
Em busca do imenso,
Do silêncio mais intenso
Que está depois dos temporais

E assim foram sempre em frente
Fazendo amor pelos sete mares
Inchando a água de alga e peixe
Seguindo os ventos
As marés e as correntes
O caminho dos golfinhos
A trilha das baleias
E não havia arrecifes
Nem bancos de areia
Nem temores, nem mais dores
Não havia cansaço
Só havia, só havia azul e espaço

08 novembro, 2010

prémios dardo (2)


"O Prémio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web"


Já agredeci ao Rogério, ao J. Albergaria e ao T. Mike, mas falta-me agradecer à Ariel e à Luísa. Muito obrigada.
Passo a corrente a todos os que estão na coluna da direita. Aí vai o dardo do bnb. :)))

[Ando sem tempo... para visitas. Eu sei, eu sei que quem perde sou eu...]

manhã de segunda, mas uma boa semana (53)







Heard, Audrey
november zinneas












Ana Carolina, ruas de outono

"A língua resiste porque é mole; os dentes cedem porque são duros" - provérbio chinês. Não comento esta sabedoria milenar. Ando com as capacidades hermenêuticas pela hora da morte! Ora tenham uns dias bons, sem durezas nem rudezas e flexíveis q.b.. Desejar, a quem quer que seja, uns dias moles, não me parece nada resistente! :))))

07 novembro, 2010

sequência azul: 5 zero



Miró, J.
azul I
(1961)


Miró, J.
azul II
(1961)


Miró, J.
azul III
(1961)





Miró, J.
woman in front of the sun
(1950)

Miró, J.
l'or de l'atzur
(1967)



futebol clube do porto vence sport lisboa e benfica 
 
[Eu se fosse papoila começava a pensar seriamente no messias]

há domingos assim (22)










Cassat, Mary
autumn (aka perfil de Lydia Cassat)
(1880)












MAS QUE SEI EU

Mas que sei eu das folhas de outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?

Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono

Nenhum súbito súbdito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha

qualquer. Mas eu que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha


Ruy Belo, mas que sei eu
{monte abraão, [transporte no tempo],
todos os poemas,Assírio e Alvim, 278-279}


Nigel Kennedy melody in the wind

Um bom dia do senhor.
E, se as palavras não animarem, deixem-se rodopiar com a música!

06 novembro, 2010

antecipaçom do jogo no dragom entre os da casa e o pessoal lampiom




Ellsworth, Kelly
dark blue and red
(1964-65)




Meuzzz amigozzzz. Amanhã há jogo de futebol entre o FCP e o SLB. As papoilinhas andam num desatino a ver se recuperam as várias falsas partidas do início da época. Os meus azulzinhos, ou me engano muito, ou estão quase a atingir o "princípio de Peter". A ver vamos e até ao lavar dos cestos é vindima que a contingência e a indeterminação do jogo assim mandam! Desde que chutem com o pé mais à mão e não se esqueçam da sabedoria do Pelé quando diz que "a maneira mais fácil de chegar ao golo é você ir directo pelo meio", e ainda, sobretudo, se ninguém se esquecer de que se trata de um jogo de futebol... tudo acabará em bem!
E viva o jogo!
Posso dizer uma coisa que parece melada, mas é completamente assim? Pensemos só que, para que uma equipa ganhe, é preciso que outra perca. Logo ... não há vencedor sem vencido. Se quem ganha merece louros, quem perde merece respeito!

:)))

recebás floris qui lhi dou






Redon, Odilon
vaso de flores
(c.1906)






Um dia bom.

:)))



Maria Gadu, bela flor

sábado de manhã (133)





Walsh, Zachary
tranquility

05 novembro, 2010

de olhos em riste





Dehai, Pan
striving to be nº 1
(2008)








Com a argúcia que caracteriza os seus serviços, o bnb não quer, de modo algum, alhear-se da visita do senhor que se segue. Aqui fica assinalada, com o devido colorido. Pois claro, perdão, vermelho e amarelo ...[O do porto e o do sporting? É para disfarçar, e dar ao colorido um ar mais plural].

prémios dardo




 Os prémios. Sim, os prémios. Agradeço ao Rogério, ao J. Albergaria e ao T. Mike. Fico sempre admirada com estes gestos generosos e  desprendidos. 

Quem vou escolher para dar seguimento a este gesto humanizador da blogosfera? 




[Por ora só agradeço. Estou sem tempo para as sempre difíceis nomeações.]

não sei se havia necessidade (11)



Leonardo da Vinci, Mona Lisa (1503-1506)                               Fernando Botero,  monalisa (1977)

[Mantenho o título desta série, completamente contaminado pelo primeiro post. Isto não significa que não ache o máximo algumas recreações. Esta monalisa do Botero é uma gostosura]

04 novembro, 2010

fábulas reais





Piene, Otto
ohne titel
(1966)





"No meio de grande alarido, o desfile começou. À passagem da carcaça pálida, adiposa e patriarcal do rei, toda a gente soltava sonoras exclamações de admiração e apreço pela beleza do fato novo. Toda a gente, excepto um garoto que exclamou:
- O rei vai nú!
O cortejo estacou. O rei deteve-se. Um sussurro percorreu a multidão, até que um camponês de reciocínio rápido gritou:
- Não vai nada. O rei vai apenas a preconizar uma nova forma de encarar as opções de indumentária!
Subiu no ar um coro de júbilo exalado pela multidão e toda a gente se desfez ali mesmo das suas roupas e dançou ao sol ao gosto da natureza. Daquele dia em diante, o país adoptou o vestuário facultativo e o alfaiate, privado do seu ganha-pão, meteu no saco agulhas e linha e nunca mais se ouviu falar dele."

James Finn Garner, o rei vai nu, histórias tradicionais politicamente correctas - contos de sempre nos tempos modernos, ed. gradiva, 18

03 novembro, 2010

tocar a cor do devaneio








Jabaloyes, Carmen
autumn
(2006)









Pablo Casals, träumerei - Schumann

02 novembro, 2010

concerteza, mermão









Não se está mesmo a ver que, a partir do momento em que os brasileiros elegem uma mulher para a Presidência da República, se não existe, passa a existir a palavra Presidenta como feminino de Presidente? Vai adiantar muito porem-se com purismos e tal ...

Dilma Rousseff, PresidentA do Brasil.

porque hoje é terça


Maria Bethânia, onde estará o meu amor

Como esta noite findará
E o sol então rebrilhará
Estou pensando em você...
Onde estará o meu amor?
Será que vela como eu?
Será que chama como eu?
Será que pergunta por mim
Onde estará o meu amor

Se a voz da noite responder
Onde estou eu, onde está você
Estamos cá dentro de nós
Sós...
Onde estará o meu amor?

Se a voz da noite silenciar
Raio de sol vai me levar
Raio de sol vai lhe trazer
Onde estará o meu amor?

01 novembro, 2010

engenhocas e engenhosos

Ora espreitem aqui! E aqui!

manhã de segunda, mas uma boa semana (52)






Zhang Jing Sheng
the variation of a garden at fall III




Em dia de todos os santos espero que tenham uma boa semana (não ia desejar uma semana santa., não é?..  despassarada sou, mas ainda sei que a semana santa é imediatamente antes do dia de Páscoa) :)))))

Zeca Baleiro, bandeira

Eu não quero ver você cuspindo ódio
Eu não quero ver você fumando ópio, pra sarar a dor
Eu não quero ver você chorar veneno
Não quero beber o teu café pequeno
Eu não quero isso seja lá o que isso for
Eu não quero aquele
Eu não quero aquilo
Peixe na boca do crocodilo
Braço da Vênus de Milo acenando tchau
Não quero medir a altura do tombo
Nem passar agosto esperando setembro, se bem me lembro
O melhor futuro: este hoje escuro
O maior desejo da boca é o beijo
Eu não quero ter o Tejo escorrendo das mãos
Quero a Guanabara, quero o Rio Nilo
Quero tudo ter, estrela, flor, estilo
Tua língua em meu mamilo água e sal
Nada tenho vez em quando tudo
Tudo quero mais ou menos quanto
Vida vida, noves fora, zero
Quero viver, quero ouvir, quero ver
(Se é assim quero sim, acho que vim pra te ver)