07 novembro, 2010

há domingos assim (22)










Cassat, Mary
autumn (aka perfil de Lydia Cassat)
(1880)












MAS QUE SEI EU

Mas que sei eu das folhas de outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?

Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono

Nenhum súbito súbdito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha

qualquer. Mas eu que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha


Ruy Belo, mas que sei eu
{monte abraão, [transporte no tempo],
todos os poemas,Assírio e Alvim, 278-279}


Nigel Kennedy melody in the wind

Um bom dia do senhor.
E, se as palavras não animarem, deixem-se rodopiar com a música!

6 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Lindo, lindo, amiga mdsol!
A face do meu domingo já mudou...
Meio carrancuda que estava, abriu um sorriso.
Grata!
Enorme abraço

Violeta disse...

E o que sei eu tambem?
bjocas

anamar disse...

O outono aos teus olhos...
Santa tarde, amiga.
Há dias deixei-te um presentinho lá em casa... Olhos lindos...
Bjsss:))

lino disse...

Um bom dia do senhor, seja lá ele quem for :)

intimidades disse...

ha domingos que so apetece estar com uma chavena de cha e os meus pensamentos

Beijos
Paula

heretico disse...

suave e cálido outono...

beijo