29 dezembro, 2007

palavras emprestadas

"Coimbra, 16 de Novembro de 1990 - Mudei. Até aqui, combatia com as armas erradas e cegas do instinto, da paixão e do sentimento. E perdia sempre. Agora, menos impulsivo, perco na mesma, mas as derrotas doem-me menos. Escudo-me na indiferença. Não pactuo, nem quero atraiçoar a minha vida. Luto ainda denodadamente, é certo. O objectivo, porém, não é vencer em plano algum, nem responder a ninguém. É sair do mundo com brio e lucidez".

Miguel Torga, Diário XVI, p.38

Aí está. Como diria o Odorico Paraguassu "talqualmente" eu sinto. E, assim sentindo, recordo uma outra frase, escrita noutro diário e que me cai, também, como sopa no mel... Vou procurar ...

Achei.!!!..

"Chaves 4 de Setembro de 1988 - Dava tudo para que me compreendessem. Mas já me contento quando me respeitam." (M. Torga, Diário XV, p.131)

6 comentários:

Tinta Azul disse...

Que lindo está o blogue!
Gostei mesmo.

herético disse...

vim aqui trazido pelo apelo (deveria dizer brilho) do teu nick - Mariadosol!

um espaço "sage". voltarei mais vezes para poder partilhar alguns momentos de teu "brio e lucidez".

sem a pretensão de compreender, mas, sem dúvida, com o propósito de respeitar.

Mariadosol disse...

herético :))

Mariadosol

Mariadosol disse...

Tinta azul :))

A tosse deu-me tempo para as obras.

Des-anónimo disse...

Duçolzinha, é sempre um prazer ler-te. O mesmo prazer com que te via perfumar a sala de um chat com a tua simpatia, sem nunca deixares de ser a Senhora, que tenho a certeza, que és. Uma simpatia virtual? Mas que mais é a vida senão esta constante ilusão virtual de que somos eternos! Para mim, eterno, só o amor e a amizade.
Fique a Amizade, mesmo que virtual.

Sempre a considerar-te.

Brel, Augusto, ou simplesmente "Eu"

Abraço

Um Ar De... disse...

Há males que vêm por bem, diriam os "anónimos" que entram no meu blog, sempre dispostos a dar-me bons conselhos... Enfim!

Escusado será dizer que também gostei das obras no Blog.

Curiosamente, gosto muito mais da prosa de Miguel Torga do que da poesia. E logo foste escolher dois excertos tão "sages", como diz o nosso amigo Herético.

Mas, agora que já foi útil, melhor fora que a tosse fosse embora! [Como diria a minha amiga Inês, foi menos mau, juntou-se o inútil ao agradável, que é bem melhor do que quando se junta o inútil ao desagradável]

Desejo-te um novo ano, com os pulmões a funcionar em pleno, alternando respirações profundas com pequenas inalações, em função da qualidade dos "ares"...

Bj