06 fevereiro, 2011

perplexidade na bagagem







Birmelin, Robert A. 
intellectual baggage
(2001)






O pretexto para este apontamento é o que se está a passar no Egipto (e Tunisia), mas podia ser outra coisa completamente diferente. Um assunto sai do nada do quotidiano e, de repente, há imensa gente a falar sobre esse assunto, como se nunca tivesse falado de outra coisa na vida. Fico sempre muito perplexa. É certo que muitos dos especializados são repetidos de assunto para tema, o que me deixa ainda mais perplexa. Também é certo que, na maioria dos casos, são bem pagos pelo que dizem. Chegada a este ponto, na maior parte dos casos, apago.

6 comentários:

Rogério Pereira disse...

"Chegada a este ponto, na maior parte dos casos, apago."
Eu, tanso, folheio leio e pago...

António P. disse...

Especiaistas sem perplexidades..sabem tudo :)
Estou consigo, mdsol
E como diz são pagos para fazerem comentários ao nível do café aqui da vila...ou piores.
São os tudológos.
boa semana

Mónica disse...

ó mdsol mas toda a comunicação social sofre do mm, seja q assunto for, há sempre "n" especialistas a falarem a torto e a direito, tão torto, que já alguns anos q deixei de ouvir noticias. oiço-as na radio não especialista em noticias, só dizem o essencial de cada assunto, sem fofocas nem amigos intimos nem fontes seguras nem experts e essas coisas todas


qdo se tratam de assuntos na minha área dizem cada bacurada q presumo q nas outras áreas seja o mesmo, mas como n as domino, fico desconfiada. é mto mau. o teu amigo Lino já fez um post sobre isso.

a falta de credibilidade dos jornalistas, experts, comentadores, e todos os senhores de 3 nomes que aparecem por aí

heretico disse...

e dizendo as mesmíssimas tretas!
por essas e outras me mantenho céptico e... heretico!

beijos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

So do I :-)

anamar disse...

E só há que apagar....
:))
Beijinho